Stress, cansaço, depressão, falta de concentração e de memorização, enxaqueca, ansiedade, baixa imunidade, halitose, cólicas menstruais, cólicas renais, acne, queda de cabelo, infecções urinárias, demora na cicatrização de ferimentos, todos esses sintomas que nos atrapalham e que são tão corriqueiros do nosso dia-a-dia podem estar relacionados com uma nutrição inadequada.

Sem falar nas doenças crônicas não transmissíveis, como obesidade, diabetes, hipertensão e cardiopatias, males que atingem cada vez mais pessoas no mundo inteiro e que no Brasil vem aumentando em níveis alarmantes.

A escolha dos alimentos determina nossa condição de saúde e para que nosso organismo desempenhe bem todas as suas funções vitais devemos fornecer a ele os nutrientes que ele precisa, nas quantidades corretas, através de uma alimentação balanceada e variada. São eles:

CARBOIDRATOS: principal fonte de energia para o corpo, principalmente para o cérebro, deve compor cerca de 60% do valor calórico total diário. A absorção é bastante rápida, sendo que a energia é colocada à disposição do corpo imediatamente após a ingestão.

Devemos diminuir o consumo de carboidratos refinados (arroz branco, açúcares, farinhas brancas e seus derivados, como pães, massas, bolos e biscoitos), pois no processo de refinamento e branqueamento grande parte das fibras, vitaminas e minerais é removida do alimento e dar preferências aos carboidratos complexos (frutas, cereais integrais e grãos), que preservam seu valor nutritivo e são absorvidos mais lentamente, prolongando a sensação de saciedade.

PROTEÍNAS: principal componente celular e de renovação dos tecidos, são responsáveis pela formação e manutenção da massa muscular, formação dos anticorpos (sistema imune) e saúde das unhas e cabelos (queratina).

Podem ser de origem animal (também chamadas de proteínas completas, por serem compostas por todos os aminoácidos essenciais – carnes, peixes, ovos, leite e seus derivados) ou de origem vegetal (conhecidas como proteínas incompletas pela ausência de um ou mais aminoácidos necessários – leguminosas, como a soja, feijões, grão de bico e lentilha).

O consumo exagerado de proteínas pode comprometer a saúde dos rins e aumentar a formação de amônia, composto tóxico para o corpo.

LIPÍDIOS: apesar das gorduras serem as vilãs da obesidade e dos riscos cardíacos, são indispensáveis na alimentação diária por serem constituintes das membranas celulares, dos hormônios e responsáveis pela absorção e transporte das vitaminas lipossolúveis (A, D, E e K).

Devemos dar preferência às gorduras de origem vegetal ou insaturadas (óleos, abacate e castanhas) e controlar a ingestão de gorduras de origem animal ou saturadas (carnes gordas, frango com pele, peixes com couro, leite integral e seus derivados, manteiga), pois são ricas em colesterol e se acumulam facilmente no tecido adiposo, formando as indesejáveis gordurinhas localizadas.

VITAMINAS: são potentes antioxidantes que combatem os radicais livres e previne o envelhecimento precoce, o aparecimento de cânceres e ainda participam como enzimas de várias reações químicas do organismo. Nosso corpo não é capaz de produzir as vitaminas, então temos que lhe fornecer através da alimentação diariamente (frutas, hortaliças, leite e ovos são as principais fontes) e a deficiência pode causar uma série de doenças e complicações.

Vale lembrar que, diferentemente dos carboidratos, proteínas e gorduras, as vitaminas não contêm calorias. É errado substituir frutas e hortaliças in natura por cápsulas de polivitamínicos, já que a biodisponibilidade, ou seja, a maneira como o organismo consegue aproveitar os nutrientes não é a mesma.

SAIS MINERAIS: envolvidos no controle do metabolismo e manutenção dos tecidos, cada um desempenha um papel fundamental, como o cálcio (responsável pela formação e manutenção dos ossos, pela contração muscular, controle dos batimentos cardíacos e coagulação sanguínea), o magnésio (que controla a transmissão de impulsos nervosos), o ferro (que transporta oxigênio pelo sangue, promovendo a oxigenação celular), o cromo (que atua no metabolismo do açúcar e das gorduras, controlando os níveis de glicemia e colesterol sanguíneos), o selênio (responsável pela liberação de hormônios do bem-estar e diminuição dos riscos de aparecimento de cânceres, já que protege as células dos danos causados por substâncias oxidativas) dentre inúmeros outros.

ÁGUA: não podemos esquecer dela, que promove o transporte de todos esses nutrientes para os diversos órgãos do corpo e representa mais da metade do nosso peso, cerca de 70%.

Fundamental na reprodução celular e no metabolismo, ajuda a eliminar toxinas, garantindo uma pele mais bonita e saudável e perfeita atividade renal e intestinal (não adianta ter uma alimentação rica em fibras se não tiver água para ajudar na formação das fezes).

A quantidade de água ideal diária varia com o peso corporal, sendo a recomendação de 30ml por quilo de peso corporal.

Open chat
Como Posso Te Ajudar?